top of page
Eichenberg, Lobato, Abreu & Advogados Associados - Especialista em Direito Imobiliário

NOTÍCIAS

  • Foto do escritorEichenberg, Lobato, Abreu & Advogados Associados

O princípio da responsabilidade patrimonial e as fraudes frente às mudanças na lei nº13.097/2015

A compra e venda de bem imóvel, salvo melhor juízo, deve ser precedida de algumas medidas mínimas de verificação pelos respectivos adquirentes. Deve-se avaliar (i) a existência e higidez do direito que está sendo transmitido, bem como (ii) a capacidade de dispor do vendedor/alienante. Aí encontramos a razão de serem feitas as auditorias jurídicas imobiliárias.


Em relação ao primeiro campo de análise, verificam-se os títulos e documentos por meio dos quais o domínio sobre o imóvel foi adquirido e o seu registro imobiliário, a fim de apurar se existe óbice capaz de afetar o direito dominial de tal forma que possa impedir ou prejudicar o negócio jurídico da compra e venda daquele imóvel.


Já com relação ao segundo campo de análise, verificam-se os documentos do vendedor/alienante a fim de verificar se existem ações ajuizadas capazes de reduzir o alienante à insolvência.


É em razão da existência do Princípio da Responsabilidade Patrimonial que é feita a análise de solvência e capacidade de dispor do alienante. Segundo esse princípio todos os bens de determinada pessoa estão sujeitos a satisfazer as obrigações com as quais se obrigou. Se a soma de suas obrigações (existentes, futuras ou decorrentes de ações ajuizadas) for superior ao valor total dos seus bens, o alienante não pode dispor deles livremente. Nesta hipótese, a alienação dos bens do alienante devedor deve respeitar ordem de preferência e concurso de credores por meio de procedimentos previstos em Lei. Para as pessoas físicas, o mecanismo a ser adotado deve ser o processo de insolvência civil previsto nos art. 748 e seguintes da Lei nº 5.869/73, o Código de Processo Civil de 1973 (“CPC/73”), cf. disposição do art. 1.052 da Lei nº 13.105/15, o novo Código de Processo Civil (“CPC/15”); para pessoas jurídicas, os mecanismos a serem adotados, conforme o caso, são o de recuperação judicial ou de falência de acordo com as disposições da Lei 11.101/05 (“Lei de Falências”).


Não sendo adotados tais procedimentos com concurso de credores, diante da alienação de bens pelo devedor insolvente, apresentam-se as possibilidades de decretação de fraude (tanto nas variantes de fraudes a credores, como fraude à execução) para o controle da disponibilidade de bens e respeito à boa-fé objetiva.


O que o adquirente deve buscar mediante tais análises é evitar as consequências indesejáveis como (i) a perda da propriedade por determinação judicial como consequência da inexistência ou vicissitude do bem/direito adquirido e/ou (ii) a decretação de anulabilidade ou ineficácia em razão da decretação de fraude (fraude a credores prevista nos arts. 158 e seguintes do CC/02 ou à execução prevista no art. 792 do CPC/15, respectivamente).


Nesse contexto se encontra a análise das certidões de distribuição de feitos ajuizados em face do vendedor/alienante, já que por meio delas é possível identificar, ao menos parcialmente, os riscos das consequências inconvenientes apontadas acima. Entretanto, seria a sua análise exigível?


A Lei Federal nº 13.097/2015 reforçou o chamado Princípio da Concentração dos Atos na Matrícula estabelecendo que não poderão ser opostas aos adquirentes fatos ou dívidas não constantes no registro imobiliário dos imóveis, dispensando expressamente a busca e exigência da apresentação de certidões de distribuição de feitos judiciais para o fim de caracterizar boa-fé nas aquisições imobiliárias. Nos artigos 54 a 59 da mencionada Lei, determina-se que sejam consolidadas nos registros imobiliários dos imóveis (transcrição ou matrícula, a depender da data de registro do último ato) as informações sobre situações jurídicas que possam afetar ou até inviabilizar a transmissão da propriedade do bem imóvel.


Vale observar que desde entrada em vigor da Lei nº 13.097/2015 houve extensa discussão a respeito da aplicabilidade da norma mencionada já que o novo código de processo civil, o CPC/15, teve publicação posterior e contém, no inciso IV do art. 792, disposição que parece entrar em conflito com as disposições dos artigos 54 a 59 da Lei mencionada.


No entanto, a inclusão do §2º no art. 54 da Lei nº 13.097/2015 pela Medida Provisória 1.085/21, posteriormente convertida em lei com a aprovação da Lei nº 14.382/2022, ao que parece, foi realizada com o objetivo de superar eventuais questionamentos e orientar a interpretação a respeito das disposições do art. 792 do CPC/15 conforme Lei nº 13.097/2015. O §2º do art. 54 da Lei nº 13.097/2015 foi aprovado com o seguinte texto:


“Art. 54. Os negócios jurídicos que tenham por fim constituir, transferir ou modificar direitos reais sobre imóveis são eficazes em relação a atos jurídicos precedentes, nas hipóteses em que não tenham sido registradas ou averbadas na matrícula do imóvel as seguintes informações:

(...)

§ 2º Para a validade ou eficácia dos negócios jurídicos a que se refere o caput deste artigo ou para a caracterização da boa-fé do terceiro adquirente de imóvel ou beneficiário de direito real, não serão exigidas: (Incluído pela Lei nº 14.382, de 2022)

I - a obtenção prévia de quaisquer documentos ou certidões além daqueles requeridos nos termos do § 2º do art. 1º da Lei nº 7.433, de 18 de dezembro de 1985; e (Incluído pela Lei nº 14.382, de 2022)

II - a apresentação de certidões forenses ou de distribuidores judiciais. (Incluído pela Lei nº 14.382, de 2022)” (grifos nossos)


Não se pretende ignorar a existência de nova discussão doutrinária a respeito da constitucionalidade da alteração introduzida pela Medida Provisória 1.085/21 posteriormente convertida na Lei nº 14.382/2022 por conta de eventual vício formal na sua origem, já que parte da doutrina entende ter havido alteração material do CPC/15 (ainda que de forma indireta) por meio da modificação das normas da Lei nº 13.097/2015. Segundo esse entendimento, tal seria capaz de macular a constitucionalidade das alterações promovidas, incluindo o §2º do art. 54 da Lei nº 13.097/2015, uma vez que é vedada a alteração de norma processual por meio de medida provisória nos termos da Constituição Federal (cf. alínea “b” do inciso I do §1º do art. 62).


Por outro lado, não se tem notícia de decisões peremptórias em eventuais questionamentos a respeito da constitucionalidade das mencionadas alterações perante o Supremo Tribunal Federal via Ação Direta de Inconstitucionalidade ou outra forma de controle de constitucionalidade concentrado. Assim, ao menos em tese, deve-se interpretar a legislação segundo o Princípio da Presunção de Constitucionalidade das leis, para quaisquer transações a serem realizadas no período compreendido entre o início da vigência da Lei nº 14.382/2022 e a incerta e ocasional possibilidade declaração de inconstitucionalidade.


O Princípio da Concentração dos Atos na Matrícula é considerado por muitos como estímulo à livre circulação de bens e favorável aos propósitos econômicos. A Sociedade Brasileira vem, há muito, buscando a desburocratização e a supressão dos entraves econômicos, sendo a edição da Lei nº 13.097/2015, ratificada pela Lei nº 14.382/2022, creditada como mais um exemplo da trajetória neste sentido.


Contudo, salvo melhor juízo, as discussões a respeito da aplicação das normas do CPC/15 sem a orientação das modificações introduzidas pela Lei nº 14.382/2022 no art. 54 da Lei nº 13.097/2015 poderiam, ainda, alcançar e resultar nas consequências indesejadas de ambos os campos de análise da auditoria jurídica imobiliária acima mencionadas, de forma que a recomendação continua a ser de realização de análise dos documentos relativos ao imóvel, juntamente com documentos e certidões de distribuição do atual proprietário e de seus antecessores. Até que tenha se formado verdadeira jurisprudência sobre o tema, será a maneira mais segura de evitar os riscos e custos, dispensando o adquirente de boa-fé da necessidade de apresentar defesa na hipótese de alegação de realização de alienação fraudulenta.


Gustavo Cavaliere

Posts recentes

Ver tudo

Garantia Legal nos contratos de construção civil

No âmbito da construção civil, finalizada a obra, o que se espera é que o imóvel esteja em perfeitas condições para o uso a que se destina. Assim, a garantia serve para resguardar o adquirente de um i

Comments


bottom of page