Eichenberg, Lobato, Abreu & Advogados Associados - Direito Empresarial em Porto Alegre

NOTÍCIAS

  • Eichenberg, Lobato, Abreu & Advogados Associados

STJ | Termo inicial para incidência de multa moratória em importação no regime de drawback

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento favorável ao contribuinte, no sentido de que os encargos moratórios de tributos submetidos ao regime de drawback.

O regime especial pressupõe seja firmado compromisso de exportação entre o contribuinte e Fisco, com a previsão de, em um primeiro momento, seja realizada a importação de insumos para a industrialização, com posterior exportação do produto industrializado. Nesses termos, há isenção tributária sobre os insumos adquiridos para a industrialização do bem.

O benefício fica condicionado à efetiva exportação do produto, nos prazos estabelecidos pelo ato concessório de drawback. Entre a importação de insumos e posterior exportação do produto industrializada, há a suspensão da exigibilidade do crédito tributário, com posterior isenção de tributos acaso a exportação seja perfectibilizada. Quando a exportação não é perfectibilizada, restaura-se a exigibilidade do crédito tributário.

A celeuma entre a Receita Federal e os contribuintes se dava em relação ao termo inicial da multa de mora.


O entendimento do Fisco sempre foi no sentido de que a mora fica configurada desde o princípio, isto é, desde a ocorrência dos fatos geradores originários. Em outras palavras, como se a exigibilidade dos tributos abarcados pelo regime de drawback jamais tivesse sido suspensa.


Os contribuintes, por sua vez, sempre defenderam que a mora somente deveria ficar configurada após o transcurso do prazo estabelecido pelo ato que concedeu o benefício fiscal. Nesse caso, se o exportador se comprometeu a remeter seus produtos em até 01 ano para fazer jus ao benefício fiscal, os tributos somente poderiam ser cobrados pela Fazenda findo esse período. Via de consequência, a multa de mora somente ficaria configurada no 31º dia após esse prazo de 01 ano.

O Superior Tribunal de Justiça julgou a questão nos termos em que defendidos pelos contribuintes. Ao julgar os Embargos de Divergência (EREsp. n. 1.578.425/RS, EREsp n. 1.579.633/RS e EREsp n. 1.580304, Min. Rel. Sério Kukina, 1ª Seção, ainda não publicado), a Corte sedimentou o entendimento de que a aplicação da multa moratória somente pode ocorrer no 31º dia de inadimplemento do compromisso de exportar.

O entendimento do STJ sobre a matéria traz segurança e previsibilidade ao segmento da indústria exportadora, especialmente em razão da instabilidade do mercado internacional no contexto da pandemia.

Marcelo Czerner

Edmundo Cavalcanti Eichenberg

16 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

No ano em que completamos 30 anos, o Eichenberg, Lobato, Abreu & Advogados Associados dá mais um passo para o futuro. Em Porto Alegre, estamos de casa nova. Com amplo espaço em um prédio moderno, noss