top of page
Eichenberg, Lobato, Abreu & Advogados Associados - Especialista em Direito Imobiliário

NOTÍCIAS

  • Foto do escritorEichenberg, Lobato, Abreu & Advogados Associados

Direito de preferência na aquisição de imóveis locados e a existência de cláusula de vigência

A realização de um único empreendimento imobiliário pode demandar a aquisição de dezenas de imóveis, sobre os quais geralmente há construções ocupadas, destinadas à moradia ou ao comércio, sendo que cada um desses imóveis traz consigo sua própria história, carregada de particularidades que precisam ser examinadas em detalhes.


A existência da locação, pode parecer uma situação relativamente simples em um primeiro julgamento, contudo, se deixar de ser observado minuciosamente o cumprimento das obrigações legais, pode causar uma série de problemas e trazer prejuízos ao empreendimento que se pretende desenvolver.


A Lei 8.245/1991, Lei do Inquilinato, estabelece regras de direito material e processual que devem ser observadas pelas partes e mesmo por terceiros em toda locação de imóveis urbanos, sendo que, algumas disposições visam à proteção do Locatário (ou Inquilino), em tese, a parte mais vulnerável a relação locatícia.


Uma situação é a impossibilidade de o locador reaver o imóvel antes do prazo estipulado em contrato, ou seja, estando o locatário em dia com suas obrigações, não pode o proprietário decidir unilateralmente pôr fim ao contrato se houver prazo definido. Assim, é notório que, ao receber uma proposta de aquisição por uma incorporadora, não pode o locador simplesmente desfazer o contrato para proceder ao negócio que lhe seja mais vantajoso.


Isto não quer dizer, é claro, que o proprietário esteja privado de seu direito de dispor do bem, existem apenas restrições legais, como o direito de preferência, instituto pelo qual, em caso de proposta de aquisição por terceiro, o negócio deve ser oportunizado tanto por tanto ao locatário, cuja inobservância pode gerar ao locatário o direito de haver para si o imóvel em juízo.


Por este motivo a incorporadora deve ser extremamente cautelosa e se certificar de que os requisitos da notificação de oferecimento ao direito de preferência, previsto nos artigos 27 e seguintes da Lei do Inquilinato foram atendidos perfeitamente e o inquilino foi corretamente cientificado acerca dos termos do negócio.


Outro ponto importantíssimo com grande potencial de gerar atritos é a chamada cláusula de vigência, pois, via de regra, o adquirente de um imóvel locado pode denunciar a locação, concedendo prazo de 90 dias para desocupação. Ocorre que, sendo a locação por prazo determinado, constando do contrato cláusula de vigência e estando o contrato registrado na matrícula do imóvel, o adquirente acaba sendo obrigado a respeitar o término do prazo da locação.


Importante também analisar com cautela o contrato de locação celebrado, a fim de observar se consta alguma obrigação e/ou acordo estabelecido entre proprietário e locatário em caso de alienação, pois, pode ocorrer de as partes estabelecerem no contrato de locação a obrigação de o proprietário dar ciência ao possível adquirente sobre a referida locação, comprometendo-se inclusive a fazer constar do compromisso de compra e venda uma cláusula de respeito à locação existente.


Vejamos, não se trata de cláusula de vigência expressa, contudo, deve a incorporadora/adquirente se atentar, pois, ainda que o contrato de locação não tenha sido levado à registro na matrícula do imóvel, ou seja, não lhe tenha sido conferida publicidade e, portanto, oponibilidade erga omnes, poderia ser possível provar que o adquirente tinha ciência inequívoca da existência da locação e que se comprometeu a respeitá-la.


Sobre isso, o STJ decidiu em sede de Recurso Especial julgado em 1992, que a cláusula de vigência por si só sem o devido registro na matrícula não seria suficiente para obstar a denúncia, observando-se, assim, entendimento que valoriza o dispositivo legal. No mesmo sentido em outra decisão, desta vez do TJSP de 2004 em que se afirmou que o dever de respeito à locação em curso deriva de “blindagem” contra a denúncia por procedimento definido em lei e não por mera ciência do adquirente.


Em sentido oposto e em decisão mais recente também em sede de REsp o STJ decidiu que, com base no princípio da boa-fé, em tendo havido ciência inequívoca do adquirente, mesmo sem averbação do contrato de locação, teria o adquirente obrigação de respeitar a locação, pois a finalidade do registro teria sido atingida, ressalva-se apenas que além de ciência o adquirente se comprometeu no compromisso de compra e venda a respeitar a dita locação.


De acordo com o quanto comentado acima, importante ressaltar que na aquisição de imóveis locados, devem ser observadas, além das situações comentadas, o cumprimento das demais obrigações legais previstas na Lei do Inquilinato, assim como os termos da negociação entabulada entre adquirente e o vendedor, a fim de afastar eventuais riscos que possam causar prejuízos ao empreendimento que se pretende desenvolver.


Ricardo Nakamura Leite

Posts recentes

Ver tudo

Garantia Legal nos contratos de construção civil

No âmbito da construção civil, finalizada a obra, o que se espera é que o imóvel esteja em perfeitas condições para o uso a que se destina. Assim, a garantia serve para resguardar o adquirente de um i

Comments


bottom of page